Reprodução Internet

Otávio Henrique Ribeiro Zapparoli, de 23 anos de idade, faleceu na manhã desta segunda-feira, 02/11. O jovem era filho do jornalista e colunista social votuporanguense Paulo Zapparoli, o conhecido Zappa, com Caty Ribeiro Zapparoli. A notícia comove a cidade devido ao grande círculo de amizades que a família tem.

O acidente aconteceu no último sábado, 31/10, quando Otávio seguia com sua moto, juntamente com a namorada, na garupa, pela avenida Nasser Marão e no cruzamento com a avenida Deputado Áureo Ferreira, perto do Posto Konstru, bateu contra uma viatura do SAMU, que estava se deslocando para atendimento de outro acidente de trânsito e por isso não fez a parada obrigatória, pegando Otávio de surpresa.

A namorada fraturou um dos punhos e sofreu ferimentos generalizados, mas Otávio teve ferimentos graves. Ele foi socorrido com traumatismo craniano e levado até a Santa Casa de Votuporanga. De lá foi transferido para o Hospital de Base de São José do Rio Preto.

Horas depois a equipe médica realizou exames que constataram morte cerebral. O diagnóstico da morte cerebral deve ser feito seguindo uma lista de critérios determinado pela Academia Brasileira de Neurologia e baseada em protocolos internacionais. Caso o paciente não reaja a nenhum teste e seja comprovada a inatividade cerebral, através de exames, é confirmada a morte.

A família decidiu fazer a doação dos órgãos. Por este motivo, o velório está previsto para ser realizado na quarta-feira, dia 04/11. As redes sociais do jovem e também do pai e da mãe, estão recebendo inúmeras mensagens de condolências.

O pai, Paulo Zapparoli, se manifestou com uma mensagem de Santo Agostinho, chamada "A morte não é nada":

“A morte não é nada.
Eu somente passei
para o outro lado do Caminho.

Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês,
eu continuarei sendo.

Me dêem o nome
que vocês sempre me deram,
falem comigo
como vocês sempre fizeram.

Vocês continuam vivendo
no mundo das criaturas,
eu estou vivendo
no mundo do Criador.

Não utilizem um tom solene
ou triste, continuem a rir
daquilo que nos fazia rir juntos.

Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.

Que meu nome seja pronunciado
como sempre foi,
sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra
ou tristeza.

A vida significa tudo
o que ela sempre significou,
o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora
de seus pensamentos,
agora que estou apenas fora
de suas vistas?

Eu não estou longe,
apenas estou
do outro lado do Caminho…

Você que aí ficou, siga em frente,
a vida continua, linda e bela
como sempre foi.”

A mãe, Caty Zapparoli, postou a triste letra da música de Chico Buarque, "Pedaço de mim":

"Oh, pedaço de mim
Oh, metade afastada de mim
Leva o teu olhar
Que a saudade é o pior tormento
É pior do que o esquecimento
É pior do que se entrevar

Oh, pedaço de mim
Oh, metade exilada de mim
Leva os teus sinais
Que a saudade dói como um barco
Que aos poucos descreve um arco
E evita atracar no cais

Oh, pedaço de mim
Oh, metade arrancada de mim
Leva o vulto teu
Que a saudade é o revés de um parto
A saudade é arrumar o quarto
Do filho que já morreu

Oh, pedaço de mim
Oh, metade amputada de mim
Leva o que há de ti
Que a saudade dói latejada
É assim como uma fisgada
No membro que já perdi

Oh, pedaço de mim
Oh, metade adorada de mim
Lava os olhos meus
Que a saudade é o pior castigo
E eu não quero levar comigo
A mortalha do amor
Adeus"

Fatos e Destaques traz a notícia e o seu sentimento de pesar pela maior perda que os pais podem ter, a partida e ausência de um filho querido.

 

 

Image alt Image alt

Recomendadas para você