A Prefeitura de Jales, por meio da Secretaria de Saúde, continua intensificando as ações de combate aos focos do Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue.  O objetivo é fortalecer o trabalho de prevenção, realizado durante todo o ano no município.

Para evitar novos casos da doença, os agentes de combate às endemias continuam visitando as residências e pontos comerciais para controle e inspeção, verificando objetos que possam acumular água e orientando a população. Quando necessário, os profissionais colocam larvicidas nos locais que podem servir de criadouro do mosquito.

Os agentes de saúde também em suas visitas de rotina orientam diariamente os moradores e, em casos mais graves, quando identificam uma área de risco, encaminham os problemas para a Vigilância Epidemiológica.

Quando é confirmado um caso de dengue é realizada a aplicação de inseticida em até 09 quarteirões próximos a região em que o morador reside, essa atividade recebe o nome de bloqueio e nebulização. A nebulização é utilizada apenas em bairros que têm casos confirmados porque o inseticida age para eliminar os mosquitos que estão dentro das casas.

A coordenadora da Equipe Municipal de Combate às Endemias, Vanessa Luzia da Silva Tonholi, ressaltou que de maio até julho, 16 casos de dengue foram confirmados em Jales,  e que é preciso a colaboração da população para que constantemente observe sua residência e seu local de trabalho ou qualquer outro local, evitando o surgimento de criadouros. “Nossa equipe trabalha durante todo o ano no combate ao mosquito Aedes aegypti e também na busca ativa de casos suspeitos da doença. O que queremos pedir, novamente, é a colaboração da população para que eliminem recipientes que acumulem água, um cuidado que tem que ser permanente”.

“A maior parte dos depósitos predominantes da larva do mosquito transmissor estão concentrados nas residências, principalmente em caixas d’água, pratos de plantas e bebedouros de animais. O que pedimos para as pessoas é que se habituem e não descuidem para toda semana checarem ralos, potes, vasos, calhas, pneus, garrafas, bandejas de geladeiras e lonas que cobrem recipientes. Qualquer mínimo vestígio de água pode se tornar um criadouro do mosquito”, enfatizou Vanessa.

A Prefeitura reforça ainda que é importante manter o quintal limpo, sem acúmulo de lixos e permitir a visita dos agentes de combate a endemias do município em residências, quintais e terrenos particulares. A população também deve ficar atenta aos sintomas como dores de cabeça, febre e dores no corpo. Ao sentirem os sintomas é importante procurar o atendimento médico.

Recomendadas para você